Origem e significados dos sobrenomes:

 1)- FARIA (FARIAS):
              O mesmo que Farias, é sobrenome bastante remoto, possivelmente de origem toponímica. Esta família é tão antiga que se acha desde o tempo dos romanos na Península Ibérica, como também desde a fundação do reino português.

Ref. histórica: Na segunda metade do séc. XII já vivia um certo João de Faria que foi pai de D. Godinho, o prelado que sucedeu a D. João Peculiar na arquidiocese de Braga e que viria a ser beatificado. Em 1288, há menção a Lourenço Faria nas inquirições de D. Dinis, dizendo-o senhor da Quinta de Onega do Paço. Em 1360, no instrumento de comprovação do casamento de D. Pedro I com D. Inês de Castro, surge como uma das testemunhas um Garcia Martins de Faria, cavaleiro. O solar de onde provém o sobrenome, é o julgado de Faria, termo de Barcelos, no monte de Franqueria, onde ainda se vêem as ruínas do castelo que defendeu Gonçalo Nunes de Faria, no tempo de D. Fernando I, rei de Portugal, em 1367, contra Pedro Rodrigues Sarmento, adiantado de Galiza, que o tinha sitiado. Gonçalo Nunes de Faria viu matar seu pai, Nuno Gonçalves de Faria, que estava prisioneiro dos castelhanos, por não querer persuadi-lo a que entregasse o castelo. Nuno Gonçalves de Faria, progenitor desta família, foi alcaide do castelo de Faria, senhor de Menhais, junto à Ponte de Lima.

No Brasil: Entre os séculos XVI e XVII, registra-se mais de 22 famílias com este sobrenome no Rio de Janeiro. Dentre as mais antigas, a de Paulo de Faria (1586-1649, RJ), que deixou geração a partir de 1616, com Ana da Costa (1596-1645). Em Minas Gerais, encontra-se a família de João Alves de Faria, fal. antes de 1828, que deixou geração do seu cas. com Quitéria dos Santos Ferreira. Foram pais de Antônia, Manoel, Maria, Domingos, Agostinho, Maria e Francelina.

    Além de diversas famílias portuguesas com este sobrenome no Brasil, também foi adotado por “Cristãos Novos” (judeus “convertidos ao cristianismo” vindos de Portugal).

 2)- PEREIRA:
            Significa:  lugar onde há pêras ou pereiras. Como sobrenome, pode se referir ao cultivador de pereiras ou o comerciante da fruta.

 3)- VIEIRA:
            De vieiras (conchas), que aparecem no Brasão de Armas desta família.

Dos cônjuges:

4)- RODRIGUES:
            De origem hispânica, derivado de Roderico, do nome germânico Hrotoriks, formado de hroth (fama, glória) e de rikia, riks (príncipe, senhor, rico, poderoso) com o sentido de rico de glória, poderoso por sua fama, senhor glorioso. Como sobrenome, tem origem patronímica: o filho de Rodrigo.

 5)- VALADARES:
           
Sobrenome de origem geográfica, tirado da freguesia de Valadares, bispado de Viseu, Portugal. Derivado de valada (vale amplo, extenso) com sufixo ar. Esta família tomou o nome da vila de Valadares, junto ao Minho, de que foram senhores seus ascendentes.

 6)- COSTA:
            Do latim costa (costela) aplicado metaforicamente na orografia (relevo), como encosta, aclive de montanha. O sobrenome indica cidadão que reside numa encosta;  pode também indicar o habitante oriundo de umas das dezenas de localidades chamadas Costa, cujos nomes constituem uma referência à sua localidade topográfica.

 7)- BRAGA:
            Sobrenome
tirado da cidade de Braga. Nome pré-romano, Bracara, scil. urbs ou civitas, originalmente um adjetivo, cidade dos Brácaros. Sendo um sobrenome geográfico, muito utilizado por inúmeras famílias como forma de homenagear a cidade natal.

 9)- ALVES:
           
Sobrenome de origem patronímica, derivado de Álvares, através das formas Alverez, Alverz (Alvrez). Outros o considera um derivação do baixo latim Alvitici, de Alvituus, e registra-se aluitici, no ano de 1073; e aluitz, no ano de 915.

 10)- VIDAL:
           
Nome de homem, também usado como nome de família. Do adjetivo arcaico vidal, o mesmo que vital (que tem vida, que dá vida, cheio de vida). Como sobrenome português, é de origem toponímica.

 11)- BORDONI:
           Forma plena de Bordon, do latim burdo, burdonem, burdonis (burro rústico, besta de carga), e o sobrenome indica cargueiro, transportador com o uso de animais de carga ou tração. O mesmo termo, medieval, por analogia, indica cajado, bastão, nas caminhadas dos peregrinos, e também lança. Neste caso indica peregrino, lanceiro.
 
 12)- FRASSON:
         
Derivado de Frasso, de Frassino, do latim Fraxinus (freixo: árvore de madeira muito utilizada na fabricação de utensílios, móveis e decoração de interiores). O sobrenome indica o mercador dessa madeira ou habitante das cercanias de freixal. Também pode indicar o habitante oriundo da cidade ou de uma das localidades chamadas Frassino.

 13)- ESTEVES e 14)- SILVEIRA  (Ver Família Esteves da Silveira)

  

Bibliografia:
       “Nomes e Sobrenomes - Dicionário Etimológico” - Prof. Rosário Farâni Mansur Guérios - (Editora Ave Maria)
       “O livro dos Nomes”  -  Regina Obata  (Editora Nobel)
       “Dicionário de Antropônimos”  -  Salvato Claudino (Editora Thirê Ltda.)
       “De Onde vêm as Palavras”  -  Deonísio da Silva   (Editora Mandarim)
       “Dicionário das Famílias Brasileiras” - (1999 e 2001 - 4 volumes)
                        Carlos Eduardo de Almeida Barata e Antônio Henrique da Cunha Bueno  (Ibero América Ltda)
       “Filius Quondam - A Origem e o Significado dos Sobrenomes Italianos”  -  Ciro Mioranza  (Editora São João)
       “Dicionário dos Sobrenomes Italianos”  -  Ciro Mioranza  (Editora Escala)
       “Michaelis - Pequeno Dicionário -  Italiano-Português / Português-Italiano”  (Melhoramentos)
       “Dicionário Espanhol - Português“    Tenório D’Albuquerque  (Editora Itatiaia Ltda.)
       “Enciclopédia Delta Larousse” - (Editora Delta S.A.)  - 10 volumes